oestepopular
 

Bolsa brasileira cai mais de 10% e tem nova paralisação nesta quarta

Oscilação é a marca de mais uma semana de nervosismo por causa do avanço do coronavírus no mundo

Correio do Povo

A Bolsa de Valores de São Paulo voltou a ter um circuit breaker na manhã desta quarta-feira (18), após desvalorização de mais de 10% no preço das ações. As paralisações estão se tornando corriqueiras no mundo por causa da pandemia do novo coronavírus.
A oscilação é a marca de mais uma semana de nervosismo por causa do avanço da doença no mundo. Na terça-feira (17), o principal índice da Bolsa, o Ibovespa, subiu 4,85%, um dia depois de perder 13,92% de valor na segunda-feira (16).
O pior pregão da Bolsa brasileira neste mês ocorreu na quinta-feira (12), quando as ações caíram quase 19%. Foram dois circuit breakers e faltou pouco para um terceiro, que representaria o adiamento definitivo das operações.
A paralisação ocorre sempre que as negóciações despencam exageradamente. Após ultrapassar 10% de desvalorização, o pregão para por 30 minutos. Se depois do retorno voltar a cair mais de 15%, há uma segunda parada. Há ainda a chance de uma terceira e definitiva parada, por tempo indeterminado. Para isso é preciso que depois do segundo retorno o tombo supere 20%.

Dólar
O dólar bateu R$ 5,20 pela primeira vez na história às 9h44 desta quarta-feira (18) e renovou nova máxima recorde, com os investidores receosos sobre o impacto econômico do coronavírus e à espera da decisão de política monetária do Copom.
Às 9h17 o dólar avançava 3,11%, a R$ 5,1581 na venda, enquanto o contrato mais negociado de dólar futuro disparava 2,9%, a R$ 5,157.
Na máxima, logo após a abertura, a moeda norte-americana tocou R$ 5,1631 na venda, novo pico histórico.


Endereço: Avenida Brasil, nº 148, Centro - Palmitos/SC | CEP 89887-000
Telefone: (49) 9 9102-4755
Whatsapp: (49) 9 9933-0022
E-mail: jornaloestepopular@gmail.com